Wagner Cassimiro
View Wagner Cassimiro's profile on LinkedIn

Série Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre |6 de 6| – Projetos aplicáveis e ROI

Olá! Estou aqui com Roberta Malagutti, Gerente Executiva de Desenvolvimento Organizacional e Performance do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, para falar sobre projetos aplicáveis e retorno sobre investimento. Eu sou Wagner Cassimiro e este é o Espresso3.

Roberta, como funcionam os projetos aplicáveis aqui no Grupo Segurador?

Como você sabe Wagner, é uma dificuldade enorme para nós de RH, principalmente da área de desenvolvimento, mostrar o quanto as ações e atividades de desenvolvimento trazem de retorno para o negócio. E nós temos que conseguir fazer isso. O RH Estratégico, que está dentro do negócio tem que conseguir mostrar isso.

Pensando nessa dificuldade e como poderíamos resolver parte desse problema, porque há um caminho enorme a ser percorrido ainda. Nós pegamos um grande projeto, um exemplo de projeto que temos, um grande programa de desenvolvimento que se chama Avanza, no qual levamos aproximadamente 30 executivos de diversas áreas da média gestão para um hotel. Trabalhamos dois módulos nesse programa, no primeiro módulo eles ficam no hotel durante duas semanas, tem um intervalo que vai de três a quatro meses, e depois um segundo módulo de três semanas.

Neste primeiro módulo eles tem que separar dois temas específicos que eles gostariam de trabalhar em um projeto aplicável no negócio. Então, o grupo de quatro ou cinco pessoas selecionam dois temas que eles consideram totalmente aplicáveis dentro da organização e levam para uma banca. Eles apresentam para uma banca onde estão nossos diretores gerais, presidentes, e a banca decide quais são os melhores projetos a serem desenvolvidos para depois serem apresentados no segundo módulo.

A partir dessa definição eles começam a trabalhar. Durante esses quatro meses nós temos um sponsor, por exemplo, se o projeto é de automóvel, o sponsor é normalmente o diretor geral de automóvel, pois eles têm que entrar dentro daquela área, eles têm que conhecer profundamente o momento daquela unidade de negócio, porque o projeto tem que estar alinhado ao momento daquela unidade.

Neste período eles desenvolvem o projeto e no final do segundo módulo eles apresentam esse projeto com o estudo de viabilidade feita, o projeto completamente desenvolvido, eles apresentam novamente para a banca. Todos os projetos são passiveis de implementação, mas esta banca vai decidir quais são os projetos que vão para a grade de projetos estratégicos da organização. E os projetos que vão para a área de planejamento estratégico, que são considerados estratégicos, a própria área de planejamento faz gestão, eles vão automaticamente para o grupo de projetos prioritários. Os demais, que não são prioritários são conduzidos pela própria área.

Desta forma nós conseguimos ter espaço para desenvolver um projeto e colocar toda a teoria conhecida e que ele aprendeu durante as aulas na prática, trazendo retorno para o negócio, pois ele é viável, ele é aplicável, então com isso nós temos uma grande aceitação.

Quais os maiores benefícios dos projetos aplicáveis?

São muitos os benefícios de se trabalhar com projeto aplicável. Um que é diretamente observado é pegarmos todo o conhecimento teórico que eles recebem, o conceito da sala de aula invertida. Nós pegamos todo o conhecimento que eles recebem teórico, em uma bagagem antes deles virem para o curso, em sala de aula com os professores e os nossos executivos eles vão tirando suas dúvidas, então o aprendizado é muito melhor, muito mais ágil e dinâmico.

Quando ele vai para o desenvolvimento do projeto ele aplica a teoria, então ele teve gestão de projetos, ele vai desenvolver todo o projeto e aplicar a teoria. Para mim esse é um dos principais pontos.

Outro ponto de extrema relevância para uma empresa como a nossa em que temos dois acionistas, dois presidentes, são as relações e as relações em que conseguimos construir neste período em que estamos desenvolvendo o projeto. Imagine que eu sou uma pessoa do RH e vou estar com uma pessoa da área comercial do banco, vou estar com uma pessoa da unidade de negócio e partir daí vamos para dentro de uma unidade de negócio para desenvolver um projeto. Então, vamos criando relações muito mais maduras, estreitas, que facilita todo o resto. Não só no desenvolvimento do projeto, mas tudo que virá a seguir, tudo que a organização colocar para nós também.

Dos projetos que já foram aplicados, você poderia dar um bom exemplo sobre projetos que já deram um bom retorno sobre o investimento?

Sim. De todos os projetos que já tivemos nós temos hoje 5 na esteira de projetos estratégicos, que a área de planejamento toca. E desses 5 projetos em janeiro de 2017 nós tivemos a felicidade de emitir as 5 primeiras apólices oriundas de um projeto do Avanza, no qual duas atendentes apenas fazendo venda ativa, em 6 horas conseguiram trazer de prêmio para a organização aproximadamente 60 mil reais.

Então, imagina que em 6 horas com duas atendentes nós conseguimos 60 mil reais, imagina a potência e capacidade que esse projeto traz de retorno para o negócio. E eu digo que é de extrema relevância conseguirmos mostrar para a organização que o investimento que eles estão fazendo em desenvolvimento e treinamento volta para a organização.

Um outro exemplo que vale a pena trazer é um projeto que já está na esteira do banco, é um projeto em que olhamos toda a parte de seguro internacional. O que era o projeto? Aproveitar a oportunidade da cotação em que você está fechando o câmbio para uma negociação, um projeto de venda de algum item de transporte internacional, e nesse momento ofertar o seguro para aquela pessoa que está fechando o câmbio.

O estudo de viabilidade deste projeto mostra que em um ano ele traz 80 milhões de retorno para a organização. Então, são valores extremamente expressivos e no momento em que levamos isso para um diretor geral de uma unidade de negócio ele fala “eu quero isso na minha área. Quero muito, porque de fato é aplicável e vai trazer resultado para a minha unidade, não só para o indivíduo como participante”.

Esse ano temos mudado um pouquinho em relação aos projetos, nós não vamos mais deixar que o grupo coloque duas sugestões de projetos, vamos fazer diferente, vamos trabalhar com mais foco ainda. Vamos para a unidade de negócio e perguntar “o que você precisa melhorar na sua operação?” E eles vão trazer a dor deles, nós brincamos, eles vão trazer a problemática que eles têm e esse grupo vai desenvolver um projeto para resolver essa problemática. Aí sim eles vão ter muito mais interesse, porque resolve um problema, aumenta o retorno para o negócio, resolve todo o problema que pode ser operacional, então, só ganhamos com isso.

O interessante é que apenas um projeto, basicamente, traz inúmeras vezes o retorno de toda a ação feita no programa.

Sim, tem o ganho direto que é o financeiro, que nós não podemos deixar de olhar para isso. Traz muito retorno financeiro, mas como eu te disse, ele traz muito retorno no aprendizado e nas relações. Eu reforço que as relações são fortificadas e criamos relações de confiança durante esse período em que levamos para os demais projetos, para outros temas que tratamos na organização.

Ok, muito obrigado!

Leia outros posts

Receba nossos Cafezinhos em seu email e também por Whatsapp!

Increva-se!

Nome

E-mail

Telefone

Como conheceu o Espresso3?

 

Inscreva-se!