Wagner Cassimiro
View Wagner Cassimiro's profile on LinkedIn

Significado e protagonismo no trabalho

Como você enxerga e reage ao seu trabalho? Eu sou Wagner Cassimiro e este é o Espresso3.

O trabalho é inerente a existência do próprio homem. Talvez, por causa disso, as pessoas não parem para refletir sobre o significado e propósito dele em suas vidas.

A primeira coisa que vem à cabeça é de que o trabalho é o “ganha pão”, ou seja, é por meio dele que tiramos nossa subsistência. Com o trabalho as pessoas podem suprir suas necessidades básicas de sobrevivência e de segurança. Afinal, com fome, ou com sede, é impossível se concentrar, assim como se sentindo ameaçado e inseguro.

Por conta disso, do trabalho nasce o emprego, uma forma de dar estabilidade à venda contínua da sua capacidade de entrega por um salário. Entretanto, com o passar do tempo esta relação meramente transacional se torna viciada, o que o coloca em uma zona de conforto e causa desestímulo. Daí, é preciso instigar a redescoberta do significado no trabalho para que a relação possa ser inspiradora, virtuosa e transformacional.

Superado estes primeiros estágios, os das necessidades fisiológicas e de segurança, o trabalho passa a dar representação e identidade a própria pessoa, bem como a delinear o seu senso de pertencimento. Por conta disso, a pergunta que vem na sequência do “qual é o seu nome”, geralmente é “o que você faz”. Também, muito mais do que a herança dos sobrenomes derivados de profissões – como, ”Taylor”, o alfaiate; “Carneiro”, o pastor; “Fischer”, o pescador -, o trabalho determina o grupo ao qual a pessoa pertence, ou mesmo quais círculos de afinidades ela pode participar.

Mas não basta pertencer, é importante ter suas competências reconhecidas. Assim, no próximo estágio, o trabalho é o meio de conhecer suas próprias capacidades e ser valorizado pelas suas entregas, passando assim a ser respeitado pelos outros e ser motivo de orgulho próprio! A escala de desafios e a capacidade de superação são basicamente infinitas e se relacionam diretamente com sua ambição, autoestima, competências e esforço.

Por fim, a pessoa pode por meio do trabalho obter a autorrealização e encontrar a satisfação. Como exemplo emblemático temos os artistas consagrados, aqueles que não se preocupam mais em trabalhar para comer, ter segurança, ser aceito, ou mesmo obter prestígio; eles são apaixonados pelas suas criações artísticas e entregam todo o seu potencial de forma autônoma e independente!

Essas necessidades apresentadas anteriormente compõem a conhecida pirâmide Abraham Maslow. Se você acha que a evolução nos estágios dessa hierarquia está associada ao seu crescimento na carreira, está muito enganado! Cada pessoa, independente de sua posição, pode dar um novo significado e propósito ao trabalho.

Assim, um pedreiro não assenta tijolos para construir uma casa, ele ergue um lar e um abrigo para uma família; um bancário não vende crédito, ele viabiliza um sonho para outra pessoa; um professor não ensina conteúdo, forma indivíduos para uma sociedade melhor; e, por aí vai!

Esta mudança de visão parece simples, mas altera drasticamente a motivação da pessoa e a sua própria percepção em relação ao seu papel na sociedade. E, tudo isso faz com que ela tenha uma visão menos individualista, e sim mais altruísta, preocupando-se com os outros e buscando a excelência de sua contribuição profissional.

Mas não basta apenas descobrir a mudança, é preciso ser agente de transformação. Para isso, além de descobrir o significado de seu trabalho, o próximo passo é de que a pessoa assuma o protagonismo de suas realizações.

Nos tempos atuais, algumas crenças caíram de moda, como “Manda quem pode, obedece quem tem juízo” e “Dar carteirada é o que resolve”.

As organizações só crescem com seus colaboradores e vice-versa. Neste cenário, as pessoas precisam tomar as rédeas de seu desenvolvimento, tornando-se responsáveis pelo crescimento de suas carreiras.

As pessoas precisam colocar menos a culpa no mundo e trazer para si a energia necessária para aprender, trabalhar melhor e galgar novos desafios. A recompensa é consequência de um bom trabalho, e não sua finalidade imediata.

As organizações, por sua vez, devem dar suporte e recursos necessários, bem como propiciar um ambiente de aprendizagem estimulante, com autonomia e cheio de oportunidades para que os indivíduos possam crescer como profissionais e como pessoas!

E, você? Reflita sobre este tema e inspire em sua equipe a busca pelo protagonismo e a compreensão do verdadeiro significado do trabalho?

E para receber mais conteúdos como este, acesse Espresso3.com.br e assine o nosso canal. Até mais!

Protagonismo no trabalho

Leia outros posts

Receba nossos Cafezinhos em seu email e também por Whatsapp!

Increva-se!

Nome

E-mail

Telefone

Como conheceu o Espresso3?

 

Inscreva-se!