Wagner Cassimiro
View Wagner Cassimiro's profile on LinkedIn

Série José C. Terra |4 de 6| Arranjos organizacionais para inovação

Olá estou aqui com o José Claudio Terra para falar sobre arranjos organizacionais para a inovação. Eu sou Wagner Cassimiro e este é o Espresso3.

Terra, como as organizações podem se estruturar para promover a inovação?

Bom, essa é uma excelente pergunta e não há tantas opções assim, mas é importante entender as diferenças entre elas.

De uma certa maneira, as organizações mais inovadoras têm no DNA a questão da inovação. O fato de apesar de uma organização que mesmo que tenha a cultura de inovação ela tem que atender o dia a dia e as pessoas muitas vezes são premidas pelo tempo, pelo atendimento ao cliente, pelo encaminhamento da produção, pela resolução de questões jurídicas e assim por diante. Então assim, o dia a dia consome muito as pessoas. Isto não quer dizer que todas as pessoas da organização não possam inovar. Para resolver este dilema, tipicamente as organizações acabam criando estruturas dedicadas para trabalhar com inovação. E que tipo de estruturas são estas?

Você pode ter estruturas que são de uma base mais técnica, então isso, historicamente as empresas criaram áreas de P&D, pesquisa e desenvolvimento, e isso evoluiu muitas vezes para uma área de novos negócios e também uma evolução ainda mais forte é quando você cria unidades separadas para aproveitar uma nova tendência de mercado, então uma unidade organizacional, uma Business Unit completamente dedicada, com um novo mercado, uma nova tendência tecnológica, um novo paradigma tecnológico.

Então, entre fazer todo mundo junto, que é responsabilidade de todos – eu acho que nunca deixa de ser, a ter estruturas dedicadas, você pode ter estruturas que são mais restritas, mais amplas e até aquelas que, eventualmente, são dedicadas a realmente fazer uma quebra com o paradigma da organização, com bastante poder e autonomia.

Mas isto talvez, em alguns casos, não resolva 100% da situação, porque por mais que você tenha cursos, às vezes você precisa de alianças estratégicas. Então você pode olhar a questão de alianças estratégicas, parceiros, distribuidores, joint ventures, como outras alternativas para você adquirir competências em uma velocidade mais rápida, ou desenvolver modelos e tecnologias mais rápidas que você conseguiria dentro do seu negócio principal.

Ainda de forma mais agressiva você poderia falar de atividades de M&A, enfim, aquisição de empresa, aquisição de tecnologias, que é uma forma de você incorporar novas tecnologias, novos caminhos para sua empresa.

O que sabemos é que são raras as empresas realmente inovadoras que não tenham alguma forma de unidade, seja interna ou semi-interna, seguindo essa lógica, ou dentro de arranjos organizacionais com parceiros que não estejam dedicadas para acelerar a inovação.

Muitas vezes, apesar de você ter criado esta estrutura, você pode precisar da organização principal, aquela que está ocupada com a operação para fazer com que estas inovações sejam incorporadas no dia a dia, na operação como um todo.

Então, em qualquer que seja o caso, um dos grandes desafios é fazer com que este grupo de pessoas, sejam pessoas internas, ou externas, ou da cadeia produtiva, que estão engajadas em projetos de inovação consigam fazer a ponte entre as unidades de inovação e a grande organização.

Então a grande organização, onde está a operação, tem que estar receptiva e ter incentivos para trabalhar com inovação.

Legal. E quais os critérios que uma organização deve levar em consideração para definir o melhor arranjo?

Acho que a resposta aqui é relativamente simples. Depende do grau de ruptura que você precisa.

Quanto mais próximo da organização principal, do core, menos evidente que você vá criar estruturas, inovações mais radicais. Então na medida que você vai separando, criando uma unidade organizacional, uma unidade empresarial, joint ventures, você está se afastando das influências do dia a dia, porque você precisa navegar em outras tecnologias, outros ambientes de negócio que não tenham a ver com o dia a dia da sua organização principal, do seu core.

A grande questão que cada um tem que se perguntar é: “O quão rápido está mudando a minha empresa? O quão rápido está mudando o meu setor? O quão rápido eu preciso que estas novas tecnologias, novos modelos de negócio sejam criados?”.

E eu diria assim, quanto maior, quanto mais rápido, mais você tem que destacar pessoas, ou uma organização inteira, ou uma empresa para se ocupar disso, dentro do portfólio de uma holding, por exemplo.

Legal. Muito obrigado!

Leia outros posts

Receba nossos Cafezinhos em seu email e também por Whatsapp!

Increva-se!

Nome

E-mail

Telefone

Como conheceu o Espresso3?

 

Inscreva-se!